Close

Fez

Fez, a maior Medina do mundo árabe

Bem-vindo (a) ao Marrocos, viagem feita do dia 25/05 a 02/06/2019. Esse post é específico da cidade de Fez que estive por 2 dias. Aqui no blog você já pode conferir Rabat e em breve Marrakech.

No post sobre a cidade de Rabat eu comentei que essa é a minha primeira vez na África, porém já revelo que Fez é a cidade que eu mais gostei porque é a maior Medina do mundo árabe! Dessa forma, quero te convidar a conhecer essa preciosidade e se perder na Medina comigo.

Informações Gerais

País: Marrocos; Meio de transporte: avião; Moeda local: dirham (MAD); Idioma: oficiais – árabe, bérbere, mas se fala muito francês; Hospedagem: hostel

No dia anterior da chegada em Fez, nós compramos a passagem de trem por €9,20 cada e tivemos a sorte de ir de primeira classe, já que a diferença para a segunda classe era mínima. Por fim, a viagem foi de aproximadamente 2 horas e o trem estava bem limpo, incluindo o toalete.

Na estação de trem de Fez nós negociamos um táxi que foi 50MAD e ele nos deixou bem próximo ao nosso hostel. Importante: no Marrocos negocie sempre antes!

Hospedagem em Fez

A localização do nosso hostel Riad el Mizan em Fez era excelente, na Medina! Eu não tenho fotos porque era a casa familiar, porém aqui no link você pode ver mais informações. A diária para 3 pessoas ficou €28,10, com taxas e serviços. O quarto era privado e o banheiro compartilhado, mas como tinham 3 banheiros, achei bem tranquilo.

O que fazer em Fez?

Perder-se na medina – Fes el Bali

A primeira dica é muito importante, não escute sempre os marroquinos. Apesar de eles darem dicas de onde ir, comer, e etc, aconteceu algo que não gostei: eles tem uma mania de dizer que as coisas estão fechadas.

Uma noite estávamos indo para uma rua famosa e um deles nos disse “esta rua está fechado” e era mentira, pois quando chegamos lá estava aberta. Além disso, outra vez outro nos disse que um restaurante estava fechado, também mentira.

Fora isso, andar pela medina é a coisa mais legal de Fez porque ela tem muitas subidas e descidas e muitas vezes você não tem ideia de onde está. Ademais, são 9.000 ruas e aproximadamente 40.000 becos na cidade velha, onde vivem aproximadamente 160.000 pessoas.

Eu li em alguns blogs que é extremamente necessário um guia pra você conhecer a Medina, mas eu achei perder-se divertido. Além disso, a nossa hospedagem era lá dentro e o google maps funcionava bem nas ruelas daquele lugar. Então, tudo depende do que você quer na sua viagem 🙂

Por fim, é aqui na Medina que tudo acontece, por isso vou te mostrar os pontos turísticos mais interessantes que conheci na maior área urbana sem carros do mundo!

Mausoléu de Moulay Idriss

A entrada no Mausoléu de Moulay Idriss é proibido para não-muçulmanos, assim como muitos lugares no Marrocos. É um lugar santo dedicado ao rei Moulay Idriss II que chefiou o país entre 807 e 828.

O rei Moulay Idriss II é um santo venerado no Marrocos e esse local tornou-se sagrado porque seu corpo foi encontrado em perfeito estado depois de cinco séculos após a sua morte. Infelizmente o que podemos ver é uma limitada vista da porta de entrada.

Madraça Bou Inania

Que lugar majestoso, por favor, tire uns minutos para apreciar os detalhes da Madraça Bou Inania. Essa escola islâmica de ensino superior foi inaugurada em 1357 e também serviu de residência para os jovens que vinham estudar em Fez.

Hoje, a Bou Inania está muito conservada porque passou por duas restaurações, a primeira no século XVIII e a última no século XX. Apesar de algumas áreas não serem abertas à visitas porque são locais de oração, o valor de 20 MAD vale muito a pena para vê-la .

Chouara Tannery

O Chouara Tannery é o maior curtume da cidade de Fez construído no século XI e o mais impressionante é que desde então a tarefa se mantém praticamente inalterada.

Entretanto, é bem difícil encontrar esses terraços para ter uma vista, porque eles ficam dentro de lojas de couro. Então, a dica é dizer ao marroquino no começo que você não vai pagar e apenas quer ver a vista.

Para chegar na cor vibrante esperada, o couro é primeiramente imerso em vários líquidos brancos (ver a foto acima) que são uma mistura de água, sal, cal, fezes de pombos e urina de vaca. Esse método é feio em até três dias e prepara a pele para receber a cor. Por fim, eles são mergulhados nos tanques de tingimento natural, por exemplo, a papoula para o vermelho, e depois secos ao sol.

Eu achei muito curiosa essa visita, apesar de atualmente não comprar mais nada de pele animal. Por outro lado é um trabalho muito sofrido, além do cheiro forte, você pode ver aqueles trabalhadores no sol de mais de 35 graus.

Bab Bou Jeloud

O Bab Bou Jeloud é o portão da principal entrada ocidental da medina e data de 1913, quando os dominadores franceses queriam uma entrada mais majestosa. Contudo, o portão original é do século XII, mais simples, e dava acesso a principal rua do mercado.

Esse é o último local de circulação de carro, já que na medina eles não proibidos.

Restaurante Chez Rachid

Eu me lembro que esse dia estava bem cansada, mas de um jeito bom. Sai para jantar sem celular e por isso não tenho fotos do restaurante, mas é muito fácil de encontrá-lo e você também pode conferir no mapa do post. O Chez Rachid fica na rua Talaa Sghira e o o preço total foi de MAD 162,00, aproximadamente €15,32. O pedido foi dois Tajines com Couscous para compartilhar entre três pessoas.

Se você tem alguma dúvida ou já visitou esse lugar, por favor deixe nos comentários. Marque #depira na suas fotos do Instagram para que eu possa vê-las 🙂

Eu vejo você na próxima aventura!
Natalia

1 thought on “Fez

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.