Close
Singularidades holandesas

Singularidades holandesas

5 curiosidades que você não sabe sobre a Holanda

Esse é aquele tipo de post que eu gostaria de ter lido quando visitei os Países Baixos pela primeira vez em 2013. Por isso, reuni aqui 5 curiosidades interessantes para um turista bem informado começar sua viagem nesse país.

Você sabia alguma dessas singularidades holandesas? Tem mais alguma para me contar? Por favor, deixe nos comentários abaixo 🙂

1) O coelho Nijntje (Miffy) é holandês

O coelho Nijntje nasceu no verão de 1955, quando seu criador, Dick Bruna, estava passando férias com sua família em uma casa na praia da cidade Egmond aan Zee, nos Países Baixos. A inspiração veio quando o artista viu por várias vezes um coelho branco que estava no jardim dessa casa e foi desenhá-lo.

Contudo, Dick Bruna era esperado para ser editor na empresa familiar, assim como seu pai, avó e bisavó, mas uma vez lá dentro, ele estava trabalhando como desenhista de capas de livros. Enfim, é apenas em 1963 que Nijntje adquire a forma que o conhecemos hoje: linhas simples e cores primárias.

‘Nijntje’ vem da palavra holandesa ‘konijntje’ (coelinho) que é de fácil pronúncia para crianças.

Os livros de Bruna tem um formato específico para que as crianças sintam que foi feito para elas: pequeno e quadrangular com 24 páginas. Assim, Nijntje – com o nome de Miffy fora da Holanda – conquistou o mundo inteiro.

“Eu dou a cada criança o espaço para preencher sua própria fantasia.” Dick Bruna (1927-2017)

Em 2006, o Nijntje Museum foi aberto em Utrecht, cidade natal de Dick Bruna, onde é possível também ver  uma estátua do coelho na cidade.

Estátua de Miffy (1994) na praça Miffy em Utrecht, feita por Marc, filho de Dick Bruna.

Infelizmente, o autor anunciou que não faria mais livros de Nijntje em 2014 e, apenas três anos depois, faleceu aos 89 anos na cidade de Utrecht.

Coelho Nijntje em seu museu na cidade de Utrecht.

2) O granulado não foi feito para o brigadeiro

Surpreendentemente, os criadores do granulado foram os holandeses e quando eu descobri isso foi mesmo de ‘cair o queixo’ e, ainda mais impactante, quando vi como eles o consomem.

Primeiramente, a história do granulado começou em 1919, quando B.E. Dieperink, diretor da fábrica de alcaçuz Venco, inventou os granulados de anis e o de frutas.

Granulado de frutas no pão com manteiga

Porém, o granulado de chocolate só foi feito pela primeira vez em 1936, pelo fabricante de chocolate Venz. Um dia chuvoso de outono, ele viu granizos por sua janela e imaginou-os como chocolates. Logo depois, os granulados ficaram famosos porque apareceram no comercial da TV do país.

Granulado de chocolate no pão com manteiga

Curiosamente, é preciso que o produto contenha pelo menos 32% de cacau para ser chamado de granulado de chocolate.

Dessa maneira, a produção começa com a preparação de uma massa de chocolate e são adicionados açúcar fino e manteiga de cacau. Depois, essa mistura vai para uma máquina com furos, onde é pressionada e criam-se cordas. Por fim, em um grande refrigerador, essas cordas são cortadas no formato do granulado e se borrifa água com açúcar para dar brilho.

Exemplos de granulados holandeses. Direita: fruta. Centro e esquerda: chocolate.

Enfim, até aqui sabemos como nasceu o granulado de chocolate, porém o que me surpreendeu é que os holandeses o comem com uma fatia de pão com manteiga.

Assim, esse é o café da manhã de muitas crianças e os adultos também comem isso como parte do almoço. Enfim, polêmicas a parte, temos que agradecer os holandeses, por que o que seria do brigadeiro sem o granulado?

3) O queijo gouda é de uma cidade que se chama Gouda

Gouda fica a apenas 20 km de Rotterdam e, além de ser famosa pelo queijo, é aqui que você pode visitar o famoso ‘Kaasmarkt‘ (Mercado de queijo). Assim, nas manhãs das quintas-feiras entre abril e agosto na frente da Câmara Municipal é possível ver uma tradição que remonta a 1395.

Infelizmente eu tenho apenas a foto da praça onde acontece essa feira, mas em breve eu volto com novas fotos dos queijos.

Câmara Municipal de Gouda

O queijo é um dos maiores produtos de exportação dos Países Baixos e a maior parte dele é produzida ou armazenada na área ao redor da cidade de Gouda, também conhecida como Vale do Queijo.

O verdadeiro queijo Gouda, que vem dessa região, tem um selo que você pode ver nesse link. Contudo, é possível produzi-lo fora da Holanda, basta ter as características como forma, ingredientes, tempo de maturação, teor de gordura e consistência.

Por fim, se um dia você vier pra Holanda e falar a palavra ‘gouda’, o holandês não vai te entender! Isso, porque o ‘g’ na língua neerlandesa tem um som completamente diferente da língua portuguesa e as consoantes ‘ou’ tem o som de ‘au’. Então, prepare a pronuncia 🙂

4) A palavra ‘dique’ é de origem holandesa

Eu mostrei a seguinte frase no post Museus da Holanda:

God schiep de aarde, behalve Nederland, want dat deden de Nederlanders zelf

e quer dizer “Deus criou a Terra, menos a Holanda, porque os próprios holandeses fizeram isso”.

Desenvolvendo melhor essa frase, sabe-se que 20% do território dos Países Baixos está abaixo do nível do mar e para os holandeses ganharem território, eles tiveram que ‘expulsar’ o mar.

O esquema foi cercar uma parte de água e a secar usando moinhos de vento (as fotos mais famosas de turistas na Holanda) e assim, o que era fundo de mar ou lago virava terra habitável. Essas áreas são protegidas pelos diques que impede que a água entre terra a dentro.

Por fim, curiosamente a palavra ‘dique‘ é proveniente do neerlandês ‘dijk‘.

Uma das maneiras de entender como os holandeses “criaram a Holanda” é fazendo uma visita ao DeltaPark Neeltje Jans ou visitando o Afsluitdijk que eu mostrei no post de Terschelling.

Afsluitdijk. Dique gigante de 32 quilômetros de comprimento que conecta a Holanda do Norte com a província de Friesland. O lado esquerdo é o lago IJsselmeer e o direito é o mar de Wadden.

5) A primeira ação emitida ao público geral foi na Holanda

Essa curiosidade foi a qual mais me surpreendeu porque fui ter conhecimento disso só depois de algum tempo morando aqui nos Países Baixos.

A história começa com a famosa Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC), sendo a primeira empresa no mundo a emitir ações negociadas no ano de 1602. Assim, os mercadores se reuniam em diferentes lugares em Amsterdam, mas não tinham um lugar fixo para essas transações.

Contudo, o conselho municipal quis criar oportunidades de regulamentação e concentrar esse comércio da cidade em um só lugar. Então, o escultor e arquiteto Hendrick de Keyser foi encarregado de construir a Bolsa de Valores de Amsterdam (ou Beurs Hendrick de Keyser) e a VOC passaria a ter um local para emitir e negociar as suas ações.

Segundo os Os Melhores Investimentos, o plano era “dividir o capital em partes iguais, vendê-las e, com o dinheiro obtido, financiar a expansão da companhia para vencer a Companhia Inglesa das Índias Orientais. Com isso, em 1669, a Companhia Holandesa das Índias Orientais se tornou a mais rica companhia privada do mundo, na época: tinha 150 navios mercantes, 40 navios de guerra, 50 000 funcionários, um exército privado de 10 000 soldados e uma distribuição de dividendos de 40%.”

Beurs van Berlage

Infelizmente, o edifício da Bolsa de Valores de Amsterdam foi demolido entre os anos de 1836-1837 por causa da diminuição dos mercados de ações mercantis. Em 1903, o Beurs van Zocher, a segunda Bolsa de Valores, também foi demolida. Todavia, e afortunadamente, é possível ver o edifício da terceira Bolsa de Amsterdam: o Beurs van Berlage!

Beurs van Berlage. Fonte: Trip.com

No final do século XIX, Amsterdam era uma cidade próspera e o comércio estava a todo vapor com a chegada de mais pessoas à cidade. Em 1986, o conselho de Amsterdam decidiu pela construção de uma nova bolsa de valores e o arquiteto e urbanista Hendrick Petrus Belage foi o escolhido para projetar o prédio.

Você pode ver o Beurs van Berlage na rua Damrak 243 em Amsterdam e hoje é conhecido como “Palácio do Povo”, onde acontecem shows, palestras e exposições.

Se você tem alguma dúvida ou já visitou esses lugares por favor deixe nos comentários. Marque #depira na suas fotos do Instagram para que eu possa vê-las 🙂

Eu vejo você na próxima aventura!
Natalia

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.